Manual para a prática de treinamento a seco seguro

(Instituto DEFESA e Academia Brasileira de Armas)

– O treinamento a seco pode proporcionar incontáveis benefícios ao desempenho do cidadão que pretende usar sua arma para o combate ou prática esportiva.
– A primeira das preocupações do praticante deve ser a segurança dos procedimentos e ambiente de prática, tema deste material. Trataremos da melhor metodologia em publicação posterior.
A prática não leva à perfeição. A prática correta leva. Se você ainda não passou por cursos formais com armas de fogo, existe uma chance enorme de você praticar errado. Isso acarreta perda de tempo não apenas nas suas sessões de dry-fire, mas também no seu processo de “reaprendizagem”, quando apresentado ao método mais correto. Não confunda treinamentos com cursos.

1. Local

O local destinado a prática de treinamento a seco precisa estar isolado. Pode ser um cômodo da sua casa, o seu quintal, não importa, desde que não hajam transeuntes e interrupções.

Feche todos os acessos ao local e retire deste ambiente todas as munições e armas reais.

Certifique-se de terminar um local para o “alvo”. Ele deve ser capaz de absorver o impacto de um disparo indesejado. Não dispare em direções aleatórias.

Coloque algo para servir de alvo, propriamente dito. Pode ser um alvo de papel, um alvo metálico ou um manequim.

2. Terceiros

Certifique-se de informar terceiros que compartilham o mesmo local sobre o que você está fazendo. Avise seus familiares, por exemplo, que a porta está fechada e deverá permanecer assim. Ninguém deve entrar no ambiente ate o final da sessão, nem interromper sua prática.

3. Tempo de treino

Não é necessário investir horas a fio no seu treinamento a seco. Sessões de até 15 minutos, bem organizadas, são suficientes.

4. Procedimentos para início

Agora que o local já está isolado e seguro, você pode efetivamente acessá-lo com o a intenção de dar início ao treinamento.

  •  Leve consigo apenas a sua arma de treinamento e acessórios para o treino
  • Voltado para uma direção segura, retire o carregador de sua arma.
  • Cicle a arma múltiplas vezes para extrair uma eventual munição da câmara
  • Trave o ferrolho à retaguarda e confira a câmara vazia de forma visual e tátil (não ignore a forma tátil)
  • Coloque uma munição inerte (NoBullet, por exemplo), na câmara.
  • Coldreie ou coloque sua arma em local seguro
  • Reúna todos seus carregadores, desmuniciando-os e colocando as munições em uma embalagem destacada. Não se esqueça da munição que estava na câmara.

5. Faça lento, mas faça certo

Embora este material não tenha o objetivo de tratar da metologia de treinamento a seco, vale lembrar: nunca comprometa sua FORMA em nome da velocidade durante este tipo de treino.

6. Interrupções

Caso mesmo após seu alerta, você ainda for interrompido, cuidado: refaça todo o checklist antes de reiniciar seu treinamento.

7. Procedimentos para conclusão

Uma vez que você decidiu parar de treinar, não volte atrás. Resista à tentação de efetuar “só mais uma repetição”.

Retire a munição de treinamento da sua arma, municie seus carregadores, carregue o armamento.

Diga em voz alta para si mesmo: O treinamento a seco acabou. Estou carregando minha arma com munição real. O treinamento a seco acabou.


Material inspirado na doutrina de Ken Murray.